Ganhadores do CEM 2021 são apresentados em live

Após cinco desafios temáticos e contextualizados com o cotidiano, os competidores do Campeonato Estadual de Matemática (CEM) 2021 participaram, neste sábado (30), da grande final que definiu como ganhadores os estudantes Beatriz Augusta e Helder Thadeu, da equipe Scorpions, da E. E. Maurício Murgel. A competição começou com 491 participantes, de 107 escolas e 46 cidades de Minas Gerais. Apenas 100 estudantes, de 50 equipes, se tornaram finalistas.

A final foi transmitida ao vivo pelo YouTube da EMGE e foi dividida em partes, sendo a primeira as apresentações e as demais, os desafios. Iniciando o evento, o Reitor da EMGE, Franclim Brito, parabenizou a equipe organizadora e destacou a proposta do campeonato. “O CEM vem crescendo e se desenvolvendo na EMGE. A professora Aline assumiu este desafio de coordenar a competição e possibilitar que a atividade pudesse cumprir o seu objetivo de gerar competências e habilidades nos estudantes de ensino médio”, disse.

A coordenadora do CEM, Aline Oliveira, também destacou o resultado positivo da competição, que surpreendeu e inovou em 2021. “O campeonato esse ano foi muito diferente, trouxemos uma contextualização prática da matemática e percebemos pelos feedbacks que recebemos dos estudantes e professores que foi muito produtivo e muito enriquecedor. Os alunos conseguiram de fato ver a matemática em diversas atividades do dia a dia que às vezes não conseguimos perceber. Trouxemos a matemática para um lugar muito próximo e que foi além da sala de aula”, explicou.

Durante a final, os participantes realizaram desafios e, em paralelo, os espectadores do YouTube participaram de uma conversa com os professores do curso de Ciência da Computação, da EMGE, Cristiano Lacerda, Presleyson Lima e Renata Santana, sobre a implementação da tecnologia e principalmente da Inteligência Artificial nas profissões e no cotidiano. “A IA está associada e é complementada por diversas áreas, não só das exatas, mas da sociologia, biologia, psicologia cognitiva, entre outros”, disse a professora Renata.

Os professores Cláudio Soares e Elias também participaram da live apresentando as áreas da Engenharia Civil, principalmente aquelas relacionadas à Engenharia de Tráfego. “O curso tem uma vantagem porque ele apresenta diversas áreas de atuação e grandes vantagens trabalhistas. Nós temos, por exemplo, a área de projeto estrutural, a área de construção civil, geotecnia, hidráulica, saneamento, transportes, dentre outras”, explicou o professor Cláudio Soares.

Dinâmica das tarefas

Durante os anos de realização, o campeonato contou com a participação de professores da EMGE e de convidados para a idealização das tarefas. Em 2021 os desafios ficaram mais contextualizados, abordando os temas energia elétrica, finanças, meio ambiente, mobilidade e acessibilidade. Para auxiliar na realização das atividades, os participantes contaram com lives temáticas preparatórias.

“Participar da elaboração, resolução e correção das questões foi muito legal, porque descobrimos caminhos diferentes de resolver essas atividades. Vimos que ao longo do campeonato, mesmo a gente pensando em várias soluções possíveis, os participantes ainda tiveram mais criatividade de pensar em novas soluções”, disse o professor convidado Rodrigo Rocha, do Colégio Dona Clara.

Assim, para a grande final, as tarefas ficaram mais desafiadoras. Foram três etapas de tarefas de cunho eliminatório, de forma que apenas 10 equipes seguiram para a parte final. No fim, apenas os estudantes Beatriz Augusta e Helder Tadeu, da equipe Scorpions, da E. E. Maurício Murgel, se tornaram campeões e ganharam a viagem para o centro de visitas da NASA, o Kennedy Space Center na Flórida, Estados Unidos.

Os demais participantes terão a oportunidade de concorrer a 30 bolsas de estudo para cada curso da EMGE (Arquitetura e Urbanismo, Ciência da Computação e Engenharia Civil), a depender da nota obtida no campeonato.

CEM

O Campeonato Estadual de Matemática (CEM) foi idealizado e teve a sua primeira edição em 2019, de forma presencial. O seu objetivo sempre foi o mesmo: desmistificar a rigidez da matemática através de uma competição lúdica para desenvolver o conhecimento.

A competição ainda teve o intuito de estimular a difusão da cultura matemática e de identificar novos talentos dessa ciência, além de contribuir para a valorização profissional dos professores, promover a inclusão social, contribuir para a melhoria da qualidade da educação, aprofundar a integração entre ensino e extensão e fortalecer o vínculo entre a Instituição de Ensino Superior e a sociedade.

O CEM é um projeto possível e acessível que já acolheu diversos estudantes. A exemplo disso, temos o estudante João Victor Barros, aluno do 4° Período de Engenharia Civil, que ingressou no universo do campeonato como competidor e hoje é membro da equipe organizadora. “Eu participei da primeira edição do CEM em 2019 como competidor, ainda com uma estrutura presencial. Por causa do próprio campeonato, consegui uma bolsa de estudos na EMG e entrei para a comissão organizadora devido a grande proximidade com a professora Aline”, contou o discente.

A competição tem o apoio da Dom Helder, do CREA-MG (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais) e do CREA-Jr (movimento que fomenta a aproximação dos futuros profissionais com o mercado de trabalho, entidades de classes e os Conselhos Regionais de Engenharia e Agronomia).