Visita a obra da MRV

 

– Por Sandra Pinho, estudante do 3º período de Engenharia Civil da EMGE

A EMGE, com o intuito de inserir os estudantes do curso de Engenharia Civil no canteiro de obras, realizou visita técnica no empreendimento “Residencial Parque Cachoeira dos Cristais” da construtora MRV, localizado na região metropolitana de Belo Horizonte, às margens da rodovia BR-262 em Betim.

A visita técnica aconteceu no dia 19 de outubro de 2018 pelo Programa Portas Abertas MRV. E teve como objetivo apresentar um bairro planejado, com projetos arquitetônicos voltados para sustentabilidade e acessibilidade, e mostrar aos alunos a técnica de construção das edificações.

Ao iniciar a visita, os alunos depararam com a placa de identificação das informações referentes ao zoneamento urbano da região. Antes de construir, é necessário conhecer a legislação de uso e ocupação do solo do respectivo Município para desenvolver projeto dentro das exigências do poder público.

O empreendimento “Residencial Parque Cachoeira dos Cristais” da construtora MRV situa-se na ZRM-Norte – Zona Residencial Mista, destinada ao uso residencial com adensamento restrito e às demais categorias de uso vinculadas ao meio rural, turismo, lazer, comércio e aos serviços desde que compatíveis com o uso residencial. A área construída é de 27.673,03 m², com 35 blocos de 4 pavimentos, cada um com 4 apartamentos por andar, totalizando 560 unidades.

Após a etapa inicial, com considerações sobre a necessária observância da legislação de uso e ocupação do solo municipal, o responsável pela apresentação de todo o processo da obra, chamado Janderson, mostrou aos alunos a implantação do projeto com 34 blocos que serão erguidos com paredes de concreto e 1 bloco já construído de paredes de alvenaria estrutural, destinado aos portadores de necessidades especiais. Nesse bloco para PNE, haverá elevador e os apartamentos possuem os vãos das portas maiores e banheiros adaptados para cadeirantes.

O projeto do complexo inclui área de lazer completa, mata nativa de preservação permanente, ambientes para a separação de óleos e coleta de resíduos, sistema de capitação e reutilização da água da chuva e energia fotovoltaica.

Após a apresentação dos projetos, os alunos adentraram as edificações já prontas. Nessa etapa, aprendeu-se que as edificações de concreto são construídas a partir de formas metálicas, o que possibilita a concretagem simultânea de laje e paredes. O sistema possibilita, em média, a execução de 4 apartamentos por dia. Inicia-se com a fundação radier com estaca, onde se localizam todos os pontos elétricos e hidráulicos para serem encaixados nas formas metálicas. Depois da concretagem, aguarda-se 12 horas para fazer o teste e atingir resistência adequada para desenformar. Com isso, industrializa-se o processo, deixando poucas etapas para serem produzidas na obra, gerando menos resíduos e agilizando a construção.

Os alunos aprenderam como é feito o processo construtivo com formas metálicas desde a fundação até a cobertura, incluindo acabamentos externos e internos, shafts, tipo de cimento e seus aditivos. 

A parte mais interessante, acredita-se, foi entender o processo de concretagem e o teste de um corpo de prova. Todos os dias, os funcionários da obra, antes de descarregar o material dos caminhões nas formas, testam parte do concreto, realizando dois testes: um é chamado de Slump, responsável por verificar a trabalhabilidade do concreto e cuja unidade de medida é o centímetro; o outro é o Flow, ensaio de espalhamento que analisa a classe de fluidez dos concretos autoadensáveis. Estando os testes de acordo com as normas, libera-se os caminhões para concretar.

Diariamente, são feitas várias amostras dos concretos, que, posteriormente, serão testadas como corpos de prova para obter as informações da resistência de acordo com a cura do concreto. Todos os dados, relativos ao processo construtivo, são documentados pela equipe responsável, inclusive a aplicabilidade de normas técnicas vigentes, para que haja a segurança da edificação.

Por fim, os alunos visitaram o stand de vendas, no qual há um apartamento decorado, para ver a distribuição do layout de maneira real.