Lousa dinâmica na aula de Empreendedorismo

 

Por Gabriel Soares, estudante de Engenharia Civil da EMGE

 

Os paradigmas da tecnologia e da educação estão intrinsecamente ligados ao advento de receber informações e transformá-las em conhecimento. Entretanto, não é difícil perceber que, a evolução dos meios de comunicação e dos sistemas e bases de dados revolucionou o modo de vida do homem moderno.

Dessa maneira, a base fundamental para o desenvolvimento do país é, e sempre será, a educação. Ao pensar em metodologias de ensino para catalisar o aprendizado dos estudantes, algumas instituições adotam metodologias diferentes das enraizadas no ensino, a qual o estudante é sempre ouvinte e passivo. A Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE), por exemplo, investe conscientemente na tecnologia como seu ´catalisador` e integra ao universo virtual para o desenvolvimento pessoal e profissional dos estudantes.

Uma metodologia um tanto quanto interessante surgiu na aula de Empreendedorismo do terceiro período na EMGE. Ao analisar uma necessidade de integrar os estudantes na aula, o professor Mateus Bernardes pensou em um modelo diferente para que todos participassem da aula de forma ativa, inicialmente nomeado pelo professor de “lousa dinâmica”. No quadro (ou lousa) é projetado o grupo de Whatsapp da turma e, dessa forma, após uma pergunta ou definição de conceitos da matéria, os estudantes participam simultaneamente da escrita no quadro e discorrem sobre o assunto.  O resultado é um processo super interativo, ao vivo e online. O quadro negro passa de um paradigma no qual apenas o professor é autor, para um novo paradigma onde todos são co-autores.

Por fim, a volubilidade do mercado e as tecnologias computacionais incitam, iminentemente, para a mudança nas metodologias das instituições de ensino no Brasil e no mundo. Metodologias desatualizadas de aprendizado geram incompatibilidade com o mercado e, ao não se adaptarem ao mercado retardam o desenvolvimento do país. A EMGE pensa no futuro e antecipa de forma concreta as tendências de um novo modelo educacional. Como diz Malcolm X, “O futuro pertence àqueles que se preparam hoje para ele”.

 

 

{"autoplay":"true","autoplay_speed":"3000","speed":"300","arrows":"true","dots":"false"}